segunda-feira, junho 13, 2016

Cássia, a professora que bate palmas no portão

.





Postado por: CLAUDIA MUNIZ 
Fonte: Gazeta do Povo / José Carlos Fernandes
Data de publicação: 10/06/2016


Foi assim. Numa das muitas escolas em que Cássia Morais Lima trabalhou, alguém propôs dar estrelinhas aos melhores alunos. Seria a panaceia educacional, o reinado de Butler. Ela não aplaudiu. Preferiu desconfiar do discurso desse método. Tempos depois, topou a parada. Distribuiria as condecorações a quem tinha direito. “Quero mil estrelinhas”, avisou. “São para o Tiago.”

Tiago era um daqueles meninos que fazia das tripas coração para se manter na escola. Cássia não o descreve. Conta apenas que certa vez o aluno pobre de Marré Desci lhe confidenciou que se alimentava de bananas. Bananas batidas com água, no liquidificador. Àquela altura da Pré-História das Casas Bahia, se ele tinha eletrodomésticos em casa, não devia estar tão mal. Mesmo assim, foi checar. Lá estavam as bananas – prontas para virar sopa –, e o garfo que o piá chamava de liquidificador. O resto fica por obra e graça da imaginação.

De Tiago em diante, Cássia nunca mais deixou de bater palmas no endereço dos alunos. É sua pedagogia do oprimido aplicada. Entre os seus pares na Secretaria Municipal de Educação, em Curitiba, ficou famosa pela disposição, civismo e por saber de cor o mapa dos subúrbios. Parolin? – perguntem a ela. O batismo de fumaça foi no Terra Santa – favela que quem viu nunca esqueceu. Mas ela se enfastia com tanto elogio. Que é isso companheiro? Cita essa e aquela, aquele e aquele outro colega de ofício que tanto quanto se dedicam à prática batizada de “busca ativa”.

A dinâmica da “busca ativa” não tem madureza. Pode ocorrer no início do ano letivo. Cena 1) Não satisfeitos com a lista dos que se matricularam, o educador põe boné na cabeça e sai em busca dos que ficaram de fora. Simples. Consta que é muito raro alguém voltar sem uma pilha de inscrições. Cena 2) A “busca” também acontece durante o ano, quando as crianças e pré-adolescentes acumulam tabuleiros de dama na lista de chamada. Antes que entrem para a estatística do abandono escolar, “alguém” se aproxima do portão e chama o pai e a mãe para um plá eivado de sinceridade. Eis a “buscadora” em ação.

Cássia não é o tipo professorinha de literatura cor-de-rosa; nem tampouco uma Rosa Luxemburgo disfarçada num avental branco

Cássia está em vias de se aposentar. Juntou a papelada duas vezes. Duas vezes recuou. A culpa é das buscas, que lhe impedem ir para a reserva. Ano passado, na saideira, decidiu dar uma mãozinha à brava equipe da Escola Municipal Itacelina Bittencourt, no Guaíra. O colégio atende a área mais depenada do velho Parolin. Havia 60 alunos com mais de 30 faltas. Cada porta que se abria, um Brasil diferente: criança criada por avó, por tia, por irmão ou sabe-se lá. “Consegui trazer 57 de volta”, contabiliza.

Este ano, convidada para trabalhar no Tatuquara – bairro com o qual tem uma relação barthesiana –, adiou o descanso mais uma vez. “Deu coceira.” Em tempos idos – quando aquilo tudo era um campo enfeitado com gigantescas torres de energia –, bateu perna adoidado no famoso Beco do Bassani, endereço para os fortes. Resgatou muita gente por lá. Poderia repetir a dose. Pois encontrou entusiastas para a sua cruzada e mais uma vez superou um recorde olímpico.

A “busca ativa” dessa vez identificou a assombrosa marca de 235 meninos e meninas que estavam fora da escola. Ou em processo de gazeta perpétua. Juntos, formaram 13 novas turmas nos bairros do Tatuquara e Caximba. Foi preciso erguer e derrubar paredes, fazer logísticas, pisar em calos, pedir favores. Para acomodar os “sem escola” do loteamento Rio Bonito, 40 mil moradores, apelou para o padre, que aproveitou a missa para dar os recados da professora. Fosse estrategista de guerra, tomava a Casa Branca.

Uma das áreas mais problemáticas – dentre as que estão debaixo do guarda-chuva de Cássia – se chama “29 de Outubro”. É uma ocupação, nasceu há seis anos e abriga algo como 1,3 mil famílias – 6 mil pessoas, quase todas expostas a uma tragédia sanitária. Fica onde a Caximba acaba, no desfecho da Rua Francisco Beraldi Paulini. A pipa no ar, permitam dizer, é triste. Está nas margens do Rio Barigui – mas avança. Parte das moradias desafia os humores do rio. São palafitas. O esgoto corre solto pelas ruas.

Tem quem lide bem com isso – como o figura que canta em inglês numa das ruas da comunidade. Divertido. Mas não apaga a imagem dos moradores que teimam em encher os vales de caliça – Sísifo mora longe. Algo naquela vila sempre parece prestes a desabar – e não é culpa do som alto que vem do Bar do Negão; nem das paredes grossas do Mercado Ki-Barato; nem da cantoria na Igreja Pentecostal Doutrina do Arrebatamento. Não é de espantar que, com tantos braços necessários para segurar a natureza, os pais tenham deixado a escola “para segunda, a perder de vista”.

Só que não tiveram refresco. Cássia procurou o líder comunitário Daniel, que num domingo à tarde – diante de mil pessoas – entregou o microfone à visitante. Ela usou a técnica do caramujo. Primeiro água morna para que saíssem da casca, depois água fervendo. Funcionou. A “29” tem todos os problemas da vida urbana, mas não tem criançada fora da escola. A não ser que nossa heroína se aposente – hipótese que deve gerar um bolão nos próximos meses – logo-logo há de ser vista pelas ruelas da ocupação. De novo vai ouvir a mesma pergunta: “A senhora é da Cohab?” – “Não, sou da escola”.

Antes que os anjos de cara suja lhe atirem pedras, um aviso: Cássia não é o tipo professorinha de literatura cor-de-rosa; nem tampouco uma Rosa Luxemburgo disfarçada num avental branco. Sua disposição em “correr atrás” é poética e inspiradora, mas não esperem vê-la fazendo campanha de agasalho, de cesta básica, ou em goelas numa seara política. Seus ideais fazem dela uma braçal: se o pai da criança sem escola se levanta às 9 e às 11 já está na “correria”, às 9 em ponto ela está lá, na porta, para falar o que o sujeito deve ouvir. Troca faíscas com adultos que não acreditam nos filhos, com diretores que desistiram dos alunos, com líderes que pularam essa parte. A pessoa é para o que nasce.

Em tempo. Cássia Morais Lima nasceu em Lins, São Paulo, e cresceu em meio aos cafezais do Norte do Paraná. Casou-se muito jovem. Em Curitiba, cursou Magistério no Instituto de Educação e Filosofia na PUC. Faz o gênero empírica – para entender o carrinheiro, puxou carrinho. Sua escolha pela escola foi reforçada no período em que se filiou ao Partido Comunista. Depois migrou para o PDT e confessa que ouvia três horas de discursos do Brizola, sem bocejar. Também merece estrelinhas.
http://www.cidadedoconhecimento.org.br/cidadedoconhecimento/cidadedoconhecimento/index.php?subcan=7&cod_not=41938&PHPSESSID=3077ef42d09023c2e4184bf8b521c801

segunda-feira, junho 06, 2016

Jantar dançante dos Namorados


Jantar dançante dos namorados. Toda a renda será revertida em prol da Comunidade Betânia, que atende pessoas com dependência química.

A Comunidade Bethânia nasceu a partir da inspiração que o Espírito Santo despertou no Coração do Pe. Léo, como resposta concreta a grande necessidade de combater o problema das drogas, o aumento de soropositivos, o grande número de adolescentes grávidas solteiras abandonadas, o crescente número de menores nas periferias das cidades.
(...) A partir dessa experiência pessoal, Pe. Léo sentiu a necessidade de proporcionar a essas pessoas um lugar e um ambiente que revelasse um jeito novo de viver, saudável e pleno. Notou-se também a necessidade de uma ação concreta de promoção social e um sério trabalho visando a transformação da sociedade e a urgência de um ambiente apropriado para uma retomada de vida através da pregação de retiros espirituais e cursos que ajudem na redescoberta de um novo sentido para a vida.
Assim, inspirada na Bethânia bíblica, olhando para os irmãos, Marta, Maria e Lázaro, esta Comunidade nasceu como casa de acolhida dos diversos marginalizados da sociedade que procuram um novo jeito de viver. Assim, Comunidade Bethânia, não é um centro de recuperação e nem uma clínica onde se internam pessoas para tratamento. Bethânia é um recanto onde somos chamados a acolher quem vem até nós como o próprio Cristo e com ele ser família. Não temos pacientes, mas sim filhos e filhas.
Pe. Léo sempre deixou claro que nós não curamos ninguém. Este é um trabalho que deverá ser feito por cada um, deve partir da vontade de cada ser humano. As pessoas que vivem na comunidade com a vocação e missão de acolher, são colaboradores no processo de restauração, procurando ajudar filhos e filhas a redescobrir um novo jeito de viver. Na Comunidade todos têm o compromisso de oferecer sua amizade, orações e uma oportunidade para cada um trilhar seu caminho, segundo o seu próprio esforço e persistência. Não existem curas mágicas para a dependência química, ou qualquer outra dependência. Em Bethânia, cada um deve ser o primeiro responsável em se ajudar.
Em resposta ao apelo do Espírito Santo ao coração do Pe. Léo, muitas pessoas abraçaram esse mesmo ideal. (...)
Leia mais em: http://www.bethania.com.br/home

Já garantiu sua mesa para o Jantar dos namorados?
Entre em contato com a secretaria do Santuário ou através dos telefones:
Giba (Zetti) 9799-6860
Gheller 9975-9943
Artêmio 9967-2134
Denis 9641-9503
Marcelo 9234-2762
Marcos (Paco) 9601-2939
Rodrigo 9977-1880
Vitor 9638-3126
Não teremos venda na portaria.



sexta-feira, outubro 30, 2015

Curitiba terá programação religiosa no Dia de Finados

Os cemitérios de Curitiba terão uma programação religiosa especial no Dia de Finados. Além das missas católicas, cultos evangélicos e celebrações ecumênicas ocorrem durante todo o dia, em diversos cemitérios de Curitiba e região.
O pico de movimento deve ser pela manhã, na praça em frente ao Cemitério Municipal do Água Verde, onde o padre Reginaldo Manzotti realiza uma “adoração ao santíssimo”, às 9 horas. Logo depois, às 10 horas, Manzotti anima a missa celebrada pelo arcebispo de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, também no Água Verde.
Nos demais cemitérios municipais, também ocorrem celebrações. No Boqueirão, as missas são às 9, 12 e 15 horas.O São Francisco de Paula – conhecido como Cemitério Municipal – terá duas missas, às 10 e às 15 horas.Já no Santa Cândida não há missa no cemitério - só na paróquia; as igrejas evangélicas Assembleia de Deus e Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular vão estar presentes no local, durante todo o dia com ações religiosas. Ações similares ocorrem no Boqueirão, sob responsabilidade da Igreja Evangélica Assembleia de Deus e da Igreja Ecumênica da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo.

Cemitérios paroquiais

Os cemitérios paroquiais devem optar por missas na igreja mesmo, e não em campo aberto. É o caso do paroquial do Santa Cândida (às 8, 10 e 16 horas), do Abranches (8 e 10 horas); do Umbará (10 horas missa e terço às 16 horas); da Colônia Orleans (8, 10 e 15 horas); e do São Marcos (8, 10 e 15 horas), que fica no Pilarzinho. Já no Campo Comprido as missas das 10 e das 18 horas são na paróquia Nossa Senhora de Lourdes; e a das 8 horas, no cemitério.
As missas ainda serão realizadas nos cemitérios do Parque Iguaçu (11 horas); Vertical (8, 11 e 16 horas); Parque São Pedro (10 e 16 horas); Jardim da Saudade (9, 14 e 16 horas); Jardim da Paz (10 horas); Santa Felicidade (8 , 10, 16 e 18 horas); e no Parque das Araucárias (9h).
Já os cultos evangélicos terão vez no Cemitério Vertical de Curitiba (13 horas), Jardim da Saudade (10h30) e no Parque das Araucárias (15 horas), em Colombo. O cemitério Parque São Pedro terá missas ecumênicas, às 10 e 16 horas.

Outras homenagens

Além da programação religiosa, alguns cemitérios preparam homenagens aos que se foram. É o caso do cemitério Vaticano, que terá chuva de pétalas com helicópteros e revoada de pombas brancas, a partir das 10h30.
A Capela Vaticano, anexa ao crematório, também terá chuva de pétalas de rosas vermelhas, soltura de balões em formato de coração e, por fim, uma revoada de borboletas, a partir das 11h15.
O cemitério Parque das Araucárias, em Colombo, também recebe uma chuva de pétalas com helicóptero, às 14h30. Antes disso, às 14 horas, haverá o sorteio de uma televisão de 32 polegadas.

Flores

Os locais ainda terão velas e flores à venda. Via de regra, a venda será feita pela própria floricultura do cemitério, que fica aberta durante todo o horário de funcionamento. Nos cemitérios paroquiais do Santa Cândida e do Campo Comprido o comércio é feito por floriculturas do entorno, sem relação com as igrejas. Também paroquial, o cemitério da Colônia Orleans terá venda de flores, velas e comidas em barracas montadas no pátio da igreja.

segunda-feira, outubro 19, 2015

História da Lívia



Ainda na última ecografia na barriga, foi detectado que seu rim esquerdo estava dilatado, uma semana depois ela nasceu fez xixi logo ao nascer, mas aí ficou 5 dias sem urinar, fez uma ecografia e viram que seu ureter também estava dilatado como o seu rim. Foi ao pediatra e foi encaminhada para nefrologista que pediu inúmeros exames, passou 2 meses fazendo exames, até chegar a um diagnóstico que era "obstrução do ureter" próximo a bexiga.

Foi encaminhada para cirurgiã no Pequeno Príncipe, quando fez 3 meses fez a primeira cirurgia , abriu o ureter e ligou a um cateter na pele, perto da barriga, pois sua bexiga era muito pequena para receber o ureter dilatado, e queríamos que o seu rim diminuísse . Mas teve muitas infecções nesse cateter, com pus, sangue, danificou a pele, pois a urina era muito ácida, ficou internada várias vezes.

Quando ela completou 1 ano e 10 meses, fez a ligação do ureter na bexiga, pois as infecções de repetição estavam danificando o seu rim a ponto de perdê-lo. Mais uma vez achamos que iria resolver mas as infecções continuaram,e as dores aumentaram. Lembrando que ela toma profilaxia de antibiótico desde que nasceu, para diminuir a probabilidade de infecção urinária. fomos em vários outros médicos aqui e em Santa catarina, mas todos dizem que o tratamento está certo. Com 2 anos, descobriram que ela estava acumulando resíduo na bexiga, então fez tratamento para dilatar a uretra com "unoprost" por 3 meses, mas não deu resultado, ela continuou com resíduo, o que descontrolou seu organismo aumentando o colesterol, a pressão, e ela começou a fazer força para urinar, acabou prejudicando o intestino.

Iniciou o tratamento com medicação para pressão, alimentação integral, e remédios para dilatar a bexiga e a uretra para ajudar a urinar. foi encaminhada para fazer cistoscopia para abrir o caminho da uretra e fisioterapia semanalmente, pois foi diagnosticada na urodinâmica como bexiga sem músculos, sem função e pequena para a idade. Hoje ela faz fisioterapia, toma diariamente remédios para dilatar bexiga, uretra, para pressão, homeopatia para aumentar a imunidade e profilaxia de antibióticos a noite. Sua alimentação e regrada, sem muita gordura e doces.

Faz acompanhamento com nefrologista, cirurgiã, cardiologista, homeopata, pediatra, fisioterapias conveniadas e pagas. Esta semana iniciou um tratamento de "cateterismo vesical" 3 vezes por dia para eliminar o resíduo da bexiga com sonda em casa, feita pela mãe, pois ela apresenta muitas dores na bexiga, devido ao resíduo sua bexiga está ficando espessada com camadas de pus.
Ela realizou 3 cirurgias, tem 3 anos e 3 meses. Já perdeu 65% do rim esquerdo , apenas com 35% funcionando o seu lado esquerdo.


Está é a história simplificada da minha guerreira Lívia Maria, que vem diariamente lutando para que sua bexiga crie músculos e trabalhe sozinha, para que não perca o seu rim.

Liciane( mãe)

quarta-feira, agosto 05, 2015

Escolas municipais iniciam projeto O Transito e Eu




Escolas de Curitiba começaram a desenvolver o projeto O Trânsito e Eu, voltado à formação de cidadãos conscientes para o trânsito seguro. As atividades serão desenvolvidas com 18 mil estudantes, de 7 a 9 anos, de turmas do 3.º ano do ensino fundamental, em 184 escolas. O lançamento do projeto aconteceu na tarde desta terça-feira (4) na Escola Municipal Araucária, no Boa Vista.

Resultado de uma parceria entre o Instituto Renault e Prefeitura de Curitiba – por meio das secretarias municipais de Educação e de Trânsito - e a Pontifícia Universidade Católica do Paraná, o projeto reúne atividades teóricas e práticas que serão trabalhadas dentro e fora de sala de aula. “Comemoramos uma importante ação conjunta que nos permitirá orientar os estudantes, e por meio deles as suas famílias, sobre a importância de se comportar no trânsito e preservar o meio ambiente”, disse vice-prefeita e secretária municipal do Trabalho e emprego, Mírian Gonçalves.

O desenvolvimento do projeto, que é coordenado pelo Instituto Renault, começou no fim de julho com a capacitação de um grupo de 450 professores da rede municipal que atuam nas turmas dos 3.º anos. Durante o curso, os profissionais receberam e foram orientados como melhor aproveitar os kits de materiais educativos que serão usados nas atividades.

Os kits educativos do projeto são ilustrados e de fácil compreensão, elaborado por educadores, e empregam diferentes ferramentas pedagógicas. Depois da fase teórica, os estudantes passarão para parte prática, em aulas com minicarros elétricos que serão conduzidos na Escola Pública de Trânsito. A escola é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Trânsito e fica na Casa Klemtz, no bairro Fazendinha. Lá os estudantes vão conduzir os minicarros sob a orientação e supervisão de educadores para poderem vivenciar e aprender a se comportar neste ambiente. 

A secretária municipal da educação, Roberlayne Roballo, destacou como o novo projeto reforçará a educação para o trânsito,que já é feito na rede municipal de ensino. “A partir do projeto, os estudantes vivenciarão também experiências de cidadania. São atividades para reforçar as aprendizagens dos estudantes que serão envolvidos também em aulas práticas”, disse Roberlayne.

Os kits entregues aos professores durante a formação contêm apostila ilustrada, elaborada por educadores, que empregam diferentes ferramentas pedagógicas para orientar e conscientizar os estudantes sobre segurança e mobilidade. “Por meio desse projeto, conseguiremos orientar crianças neste importante período de desenvolvimento sobre como compreender o comportamento nos diferentes modais de trânsito, além de incentivá-las ao modal de trânsito elétrico", disse a secretária municipal de trânsito, Luiza Simonelli.

O Programa O Trânsito e Eu é uma iniciativa do Grupo Renault e em seus 15 anos de atividades alcançou 35 países, onde foram distribuídos cerca de 730 mil kits educativos e beneficiadas aproximadamente 13 milhões de pessoas. "A Renault desenvolve diversas ações que contribuem com a educação para a segurança no trânsito junto a públicos de diferentes idades. O ingresso de Curitiba, que é uma referência em mobilidade urbana, é um reforço importante para visibilidade do programa”, destaca Caíque Ferreira, vice-presidente do Instituto Renault e Diretor de Comunicação da Renault. 

Os estudantes aprovaram o inicio do projeto. “Já sei tudo sobre sinalização e agora vou aprender sobre como dirigir”, disse o estudante Wagner Gonçalves, de 8 anos. A colega Micaela de Souza, também de 8 anos, está curiosa com o que vai aprender no projeto. “O material é tão bonito que deve ser divertido “, disse a estudante. A professora da dupla, Valdirene Colaço Alves, está animada para o início das atividades com a turma. “O diferencial do projeto é que as experiências não se restringem à sala de aula e as crianças vão multiplicarem o que aprenderão em suas famílias”, disse Valdirene.
http://www.cidadedoconhecimento.org.br/cidadedoconhecimento/cidadedoconhecimento/index.php?subcan=7&cod_not=41650&PHPSESSID=58092ded2f2177a0d49cbe15d61e8fb7

terça-feira, julho 07, 2015

Estado Islâmico usa redes sociais para atrair garotas

“Eu sentia que estava traindo Deus e o cristianismo. Mas também estava feliz porque tinha feito muitos amigos.” | Andrea Bruce
/ The New York Times
Alex, 23, professora de uma escola dominical e babysitter, estava trêmula de emoção quando contou a seus seguidores no Twitter que tinha se convertido ao islamismo.
Há meses, ela estreitava relações com um novo grupo de amigos on-line que estava lhe ensinando o significado do islã. Essas pessoas lhe falavam do Estado Islâmico e de como o grupo estava construindo uma pátria onde os fiéis poderiam viver segundo as leis de Deus.
Uma pessoa em especial, Faisal, tinha se tornado companheiro constante de Alex e passava horas on-line com ela todos os dias, no Twitter, Skype e e-mail.
A jovem começou a viver uma vida dupla. “Eu sentia que estava traindo Deus e o cristianismo”, falou Alex, que pediu para ser identificada apenas pelo pseudônimo que usa on-line. “Mas também estava feliz porque tinha feito muitos amigos.”
O EI se esforça para recrutar ocidentais para suas fileiras, interessado no alto valor propagandístico desses recrutas. Até janeiro deste ano, acreditava-se que quase 4.000 ocidentais já teriam ido se juntar aos extremistas na Síria e no Iraque.
O recrutamento do EI é feito por inúmeras pessoas nas mídias sociais. O grupo terrorista mantém uma operação, que conta com a ajuda de voluntários e fãs, que funciona 24 horas por dia.
O círculo on-line de Alex abrangia dezenas de contas, algumas delas operadas por pessoas que se identificavam abertamente como membros do Estado Islâmico. Essas pessoas passaram milhares de horas comunicando-se com ela, ao longo de mais de seis meses.

Solitários na mira

Para chegar à casa de Alex, saindo da cidade mais próxima, o visitante precisa entrar num acampamento de trailers e prosseguir por mais um quilômetro, passando por amplas plantações de trigo e alfalfa na zona rural do Estado de Washington. “A gente sente solidão aqui”, comentou Alex.
Ela morou com os avós durante quase toda sua vida: sua mãe, dependente de drogas, perdeu sua guarda quando Alex tinha 11 meses de idade. Seu terapeuta diz que a síndrome alcoólica fetal, que deixou Alex com tremores nas mãos, também contribuiu para sua falta de maturidade e dificuldade em avaliar situações corretamente.
Depois de abandonar a faculdade, no ano passado, Alex passou a trabalhar dois dias por semana como babysitter e, nos finais de semana, dando aula para crianças na escola dominical de sua igreja. Em casa, ela passava horas na internet e assistindo a filmes no Netflix.
No dia 19 de agosto, o telefone de Alex vibrou com um alerta da rede CNN. James Foley, um jornalista de quem Alex nunca tinha ouvido falar, tinha sido decapitado pelo EI, um grupo sobre o qual ela nada sabia. Chocada, ela se conectou ao Twitter para tentar saber mais.
“Procurei pessoas que concordavam com o que o EI estava fazendo, para entender o porquê daquilo”, explicou. “Achá-las foi facílimo, na verdade.”
Alex encontrou pessoas que se identificaram abertamente como sendo do EI e que se deram ao trabalho de responder às suas perguntas com gentileza. “A partir do momento em que viram que minha curiosidade era sincera, eles foram muito gentis”, contou. “Me perguntaram sobre minha família, de onde sou e o que eu queria fazer na vida.”
Em pouco tempo, um combatente do EI chamado Monzer Hamad, que atuava perto da capital síria, Damasco, estava batendo papo com ela durante horas todos os dias. As interações deles eram alegres, repletas de emoticons de rostinhos sorridentes e risadas.
“Você pensou no que eu te disse sobre o islã?”, perguntou Hamad em uma mensagem cheia de erros de digitação.
O que aconteceu a seguir obedeceu à risca as orientações de um manual do grupo Al Qaeda no Iraque, que se converteria no Estado Islâmico, intitulado “Um Curso da Arte do Recrutamento”. As forças americanas recuperaram um exemplar do manual no Iraque em 2009.
O folheto aconselha que se passe o máximo possível de tempo com potenciais recrutas, mantendo contato regular com eles. O recrutador deve “ouvir sua conversa atentamente” e “compartilhar suas alegrias e tristezas” para criar uma relação mais estreita com o recruta. Em seguida, o recrutador deve se concentrar em transmitir os fundamentos do islã, tomando o cuidado de não mencionar a jihad.
Hamad orientou Alex a baixar o aplicativo “Islamic Hub” em seu iPhone. Todos os dias, o app lhe enviava um “hadith”, ou ditado, do profeta Maomé.
O iPhone de Alex passou a vibrar o dia inteiro com atualizações de status, notificações, emoticons e mensagens de voz deixadas no Skype.
“Eu passava muito tempo sozinha, e eles estavam on-line o tempo todo”, contou Alex. De vez em quando, ela questionava seus interlocutores, perguntando como os extremistas podiam justificar as decapitações. Porém, ela já tinha passado a questionar o modo com a mídia retratava o EI.
Hamad parecia saber muito sobre a Bíblia. Ele lhe explicou que Cristo foi um homem que merece ser reverenciado como profeta, mas que não é Deus.
A discussão deixou Alex desorientada, e ela foi consultar o pastor de sua igreja. Queria saber se o fato de os cristãos acreditarem na Santíssima Trindade queria dizer que eles eram politeístas. Ela disse que o pastor a mandou embora depois de 15 minutos. Na vez seguinte em que foi à missa, Alex não se levantou quando o pastor convidou os fiéis a comungar.
Quando ela contou a Hamad o que tinha feito, ele escreveu: “O que você não sabe é que não estou convidando você a abandonar o cristianismo. O islã é a correção do cristianismo”.
Dois dias depois, Alex escreveu: “Posso concordar que Maomé e Jesus são profetas, não Deus”. Hamad respondeu: “Então você está esperando o quê para se tornar muçulmana?”
No entanto, pouco tempo depois disso, o ícone dele no Skype ficou cinza. Alex o procurava diariamente, mas ele tinha sumido.
Na última semana de outubro, ela já se comunicava com mais de 12 pessoas que admiravam o EI. Uma de suas novas “irmãs” muçulmanas lhe mandou de presente um vale de US$ 200 para compras no site IslamicBookstore.com. Ela e outras pessoas escolheram livros para Alex, incluindo uma cópia do Alcorão e um manual de estudos, e os mandaram à casa dela pelo correio.
Uma das pessoas que levou adiante o esforço iniciado por Hamad foi um usuário do Twitter chamado Voyager. Em novembro, ele pediu o endereço de e-mail de Alex e lhe disse que seu nome era Faisal Mostafa e que vivia em Stockport, perto de Manchester, Reino Unido. Eles não demoraram a começar a bater papo pelo Skype, com as câmeras desligadas para respeitar as normas de modéstia muçulmanas.
Faisal geralmente aparecia online às 15h pelo horário de Alex. Quando ela calculou a diferença de fusos horários, percebeu que Faisal conversava com ela entre as 23h e as 6h, pelo horário dele.
As conversas deles eram platônicas, ela contou, e incluíam desde dicas de jardinagem (“experimente plantar aspargo roxo”) até conselhos alimentícios (“tente tomar chá de melão amargo para abaixar seu nível glicêmico”). Porém, em outros momentos, eles discutiam detalhes de uma vida muçulmana devota.

Conversão

Com o Natal se aproximando, Alex perguntou a Faisal como poderia se converter. Ele explicou que a única coisa que ela teria que fazer seria repetir a frase “não existe outro Deus senão Alá, e Maomé é seu mensageiro” na presença de dois muçulmanos.
Faisal disse que ela poderia postar sua declaração de fé, conhecida como a Shahada, no Twitter, e que duas pessoas que a lessem fariam o papel de suas testemunhas.
Na noite de 28 de dezembro, enquanto sua família assistia à TV, Alex fechou a porta de seu quarto. Sentou-se sobre a cama, com um crucifixo na estante ao seu lado. Por um instante, pensou que fosse vomitar.
Ela se conectou ao Twitter. Faisal “testemunhou” sua declaração imediatamente, seguido por uma amiga on-line que se identificava como Hallie Sheikh.
Em questão de horas, o número de seguidores de Alex no Twitter tinha dobrado. Antes de dormir, ela postou uma mensagem: “Agora eu realmente tenho irmãos e irmãs. Estou chorando.”
O nome de Twitter Hallie Sheikh chegou à atenção pública alguns meses depois: a conta com esse nome teve uma interação rápida com Elton Simpson, o homem armado que abriu fogo em um concurso realizado no Texas para desenhar o profeta Maomé. Esse ataque foi dedicado ao Estado Islâmico.
Pacotes começaram a chegar à porta de Alex a partir de janeiro, portando o logotipo dos correios britânicos e o endereço de Faisal no Reino Unido. Dentro deles, havia hijabs em cores claras, uma esteira verde para orar e livros que conduziram Alex a uma interpretação mais rígida do islã.
A única pessoa que sabia de sua conversão era sua prima, que também começava a flertar com a conversão.
No entanto, Alex sentia-se mal por estar mentindo à sua família. À medida que seu segredo crescia, seu sentimento de isolamento também aumentava.
Em fevereiro, outros usuários do Twitter leram sua linha do tempo e reconheceram os sinais de uma radicalização. Eles começaram a lhe dar conselhos.
“Eu sei que eles parecem doces e gentis”, escreveu @KindLadyAdilah. “Estão fazendo sua cabeça. Se você for para lá, pode morrer ou sofrer algo ainda pior.”
“Será que posso simplesmente ignorá-los?” perguntou Alex. “Juro que estou fazendo isso desde ontem à noite. Mas cortar laços é difícil, e eles me deram presentes.” @KindLadyAdilah a aconselhou a parar de aceitar os presentes.

Sob pressão

Então, a comunidade muçulmana virtual de Alex começou a fazer mais exigências. Eles lhe disseram que ela precisava parar de seguir pessoas que eram “kuffar”, ou infiéis.
Quando um usuário do Twitter que apoiava abertamente o EI acusou Alex de ser espiã, outros começaram a bloqueá-la.
Ela ofereceu sua senha no Twitter a qualquer pessoa que quisesse examinar suas mensagens. “A quem interessar possa”, escreveu. “Algumas pessoas acham que sou espiã, mas não sou, não mesmo. Sou muçulmana desde 28 de dezembro, fiz a Shahada no Twitter e tenho 92% de certeza que ser muçulmana salvou minha vida.”
Faisal intercedeu a favor de Alex. Ele a apresentou ao administrador da conta @InviteToIslam. Segundo o Middle East Media Research Institute, grupo com sede em Washington que monitora a propaganda extremista, a conta pertence a um grupo islâmico radical de Birmingham, Reino Unido, que mantém contato regular com combatentes do Estado Islâmico.
O administrador do @InviteToIslam combinou que Alex seria submetida a uma “verificação por Skype”. Depois de um interrogatório exaustivo sobre seus contatos on-line e suas intenções, ela foi inocentada. “Você é uma pessoa gentil e de caráter lindo”, escreveu-lhe Faisal três dias após essa provação. “Sob muitos aspectos, é muito melhor que muitos muçulmanos natos.” E acrescentou: “Conseguir alguém com quem se casar não será problema, ‘Inshallah’”.
Mais tarde, ele explicou melhor: “Conheço alguém que está disposto a se casar com você, mas ele não é bonito. Tem 45 anos e é careca, mas é um muçulmano gentil.”
Cada vez mais, eles começaram a falar sobre Alex viajar a uma “terra muçulmana”, que Alex entendia que seria a Síria.
Faisal sugeriu que ela o encontrasse na Áustria e se ofereceu a comprar sua passagem. Foi apenas então que ela fez uma busca no Google pelo nome dele.
Ela descobriu que um homem chamado Faisal Mostafa dirigia uma entidade beneficente islâmica chamada Green Crescent (Crescente Verde), cujo endereço era o mesmo do qual tinham sido remetidos os pacotes para ela. Ele era originário de Bangladesh, tinha mais de 50 anos, era casado e tinha filhos.
Nos últimos 20 anos, Mostafa foi investigado em duas ocasiões sob suspeita de tramar atos de terrorismo no Reino Unido. No entanto, ele só foi condenado por posse de armas, recebendo uma sentença de quatro anos.
Ele foi preso em 25 de março de 2009 durante uma viagem a Bangladesh, depois de a polícia ter feito uma blitz no orfanato administrado por sua entidade beneficente. Os investigadores averiguaram que ele comandava uma fábrica de bombas. Ele foi repatriado ao Reino Unido em 2010, depois de passar quase um ano preso em Bangladesh.

Intervenção familiar

Numa manhã de março, a avó de Alex, que tem 68 anos, decidiu enfrentar o homem que ela acreditava estar tentando recrutar sua neta para o Estado Islâmico.
A família se reuniu na sala, com o computador de Alex sobre uma mesinha, sob os olhares de um repórter e um cinegrafista do jornal “The New York Times”.
A avó entrou no Skype com a identidade de Alex. “Salaam aleikum. Você está me ouvindo?”, disse Faisal. A avó de Alex se identificou. “Estou ouvindo você.” Então Faisal desligou.
A avó digitou uma longa mensagem a ele no Skype. “Você precisa saber que Alex é muito importante para nós”, escreveu. “O que o faz pensar que nós a deixaríamos ir embora nas circunstâncias que você está propondo?”
Ela prosseguiu: “O que você pensa? Nós a criamos por anos para ela ser uma cristã fiel. Não para ser submetida a uma lavagem cerebral por vocês.”
Após alguns minutos, Faisal respondeu: “Compreendo que você talvez nos considere muçulmanos radicais, quem sabe? Faça o favor de não acreditar em tudo que passa na Fox News! Não concordamos com o terrorismo DE JEITO NENHUM. Vocês têm minha palavra e também a palavra dos amigos de Alex. Nunca, DE MANEIRA ALGUMA, vamos tentar obrigá-la a fazer mal a outros ou fazer qualquer coisa que seja ilegal.”
A avó digitou de volta: “Nada do que você diz explica a oferta de uma viagem à Áustria, a passagem de graça, a oferta de casamento com um homem velho e careca”. Faisal respondeu que a oferta de casamento era “brincadeira” e prometeu que não voltaria a fazer contato com Alex.’
Alex concordou em entregar as senhas de suas contas de Twitter e e-mail. Sua avó as mudou para impedi-la de usar as contas. A família de Alex entrou em contato com o FBI, que mandou agentes à casa dela para descarregar seu histórico de comunicações eletrônicas.
Após o enfrentamento on-line com Faisal, Alex e seus avós saíram de férias, procurando se reaproximar.
No entanto, Alex descobriu que não conseguia manter distância de seu amigo virtual por muito tempo. Apesar de sentir que não podia confiar nele, Alex sentia falta do companheirismo.
Ela esperou até seus avós terem saído para pegar mariscos na praia e então entrou no Skype, a única conta que sua família não tinha se lembrado de fechar.
Faisal lhe escreveu imediatamente. Agora, meses depois, eles continuam a trocar mensagens. “Falei a ela que eu não me comunicaria com você”, escreveu Faisal. “Mas menti.”

sábado, julho 04, 2015

Festival de Inverno do Centro Histórico de Curitiba terá pratos a preços fixos.

De 9 a 19 de julho ocorrerá a terceira edição do Festival de Inverno do Centro Histórico de Curitiba. É um festival aberto que reúne moda, gastronomia, cultura e serviços. A novidade neste ano são os combos gastronômicos e de serviços a preços fixos de R$ 20 e R$ 40. Vinte estabelecimentos do entorno e associados da Rede Empresarial do Centro Histórico, que organiza o evento, prepararam seus estabelecimentos com promoções e novos pratos para a ocasião.
A realização do Festival de Inverno do Centro Histórico é da Rede Empresarial com o apoio do Sebrae, Fecomércio, Sesc, Senac, Vinícola Araucária, Prefeitura de Curitiba, Instituto Municipal Curitiba Turismo, Fundação Cultural de Curitiba, Omicron Escola de Fotografia, Natura e Curitiba Convention & Visitors Bureau.
Confira abaixo todos os combos e horário de funcionamento dos estabelecimentos.
Bella Vivenda
De Segunda a Sexta, das 09h às 19h – Aos Sábados, das 09h às 17h. Exceto dia 11/07. Telefone(41) 3154-3380
Combo 1: Sopa (pinhão, abóbora, couve) + 01 taça de vinho OU waffle com chocolate quente cremoso (FOTO).
Preço R$20.




Oriente Árabe
De Terça a Sábado das 11h às 23h; aos Domingos, das 11h às 15h. Telefone (41) 3224-2061.

Combo 1: Beirute Vegetariano com Falafel + Chá árabe (para 01 pessoa)
Preço R$ 20
Combo 2 (FOTO): Fatti (Carneiro ao molho de coalhada e grão de bico acompanhado de arroz Sírio) + folhado de nozes (Para o1 pessoa)
Preço R$ 40
Hotel Blumenau
De segunda a sexta das 16h às 19h. Recepção: 24h. Telefone: (41) 3224-8777.

Combo 1 (FOTO): Café da tarde com pães, bolos, salgados, frutas, café, chá, sucos e uma opção de creme ou sopa para o inverno (Para 02 pessoas)
Preço R$20.


Farnel
De terça a domingo, das 11h30 às 15h. Telefone (41) 3324-9755.

Combo 1 (FOTO): Bolinho de Barreado + Cerveja Gauden Belgian Pale Ale.
Preço R$ 20.
Combo 2: Pinhoca (aipim, carne seca, pinhão e queijo) + Cerveja Gauden Pilsen.
Preço R$ 40.
Bar do Alemão
De segunda a segunda das 11h às 02h. Telefone (41) 3223-2585.
Combo 1 (FOTO): Sopa Berlim + quentão alemão (Para 01 pessoa).
Preço R$ 20.




Quintal do Monge
De terça a sexta, das 17h às 2h, sábado das 15h às 2h e domingo das 11h às 21h. Telefone (41) 3232-5679.
Combo 1(FOTO): Fish & Chips – Filé de peixe tilápia em tiras, temperados com cerveja clara empanado com batatas palito fritas. Acompanha molhos + chopp artesanal tipo weiss 300ml.
Preço R$ 20.
Combo 2: Sobrecoxa de frango desossado marinada grelhada ao molho de alecrim com pimentas diversas e sal, acompanhada de Fettuttine na manteiga + chopp artesanal tipo american pale ale 500ml.
Preço R$ 40.
Nonna Giovana
De segunda a sexta das 11h30 às 14h30 e aos Sábados das 11h30 às 15h. Telefone (41) 3022-4652.
Combo 1: Capeletti de carne seca (FOTO) + taça de vinho ou copo de suco de uva OU Capeletti a Quatro queijos + taça de vinho ou copo de suco de uva.
Preço R$20.



Café Catedral
De segunda a sábado das 12h às 21h. Telefone (41) 3022-1443.
Combo 1 (FOTO): Fondue de Chocolate + Taça de vinho.
Preço R$ 20.



Lolitas

De terça a sábado das 11h às 19h. Telefone: (41) 3224-8115

Combo (FOTO): Hidratação profunda Schwarzkopf + escova natural (reparação, brilho e força) com look espontâneo.
Preço R$ 40.

Barbearia Rei Trajano
De segunda a sábado das 10h às 21h e domingo das 10h às 15h. Telefone (41) 3053-2703.

Combo (FOTO): Corte + cerveja
Preço R$ 40.



Jokers
???????????????????????????????De Terça à Sexta, das 18h até o último cliente. Aos Sábado das 20h até o último cliente. Telefone (41) 3013-5164.
Combo 1: Astro Dog + Chop 560ML (cachorro quente com pão artesanal, salsicha especial e molho tradicional).
Preço R$ 20.
Combo 2 (FOTO): Mignon Brown Sauce + Chope 300ML (cubos de mignon ao molho brown e alho poró, flambados ao conhaque, acompanha cesta de pães).
Preço R$ 40.
Hostel Roma
Combos: Segunda a Segunda das 11h às 22h. Recepção: 24h. Telefone (41) 3224-2117
Combo (FOTO): Chocolate quente cremoso com marshmallow e bolo de pote.
Preço R$ 20.



Jeito Mineiro
De segunda a Sábado das 11h às 15h. Telefone (41) 3223-3003.

Combo (FOTO): Risoto de Pinhão + 01 taça de vinho.
Preço R$ 20.


Suiane Maria
De Terça a Sexta, das 11h às 18h30. Aos Sábado, das 11h às 15h. Telefone (41) 3045-3354.
Combo 1: Porta moedas com estampa especial
R$ 20.
Combo 2: Bolsa com estampa especial
R$ 40.
Casa do Fumo
De Segunda a Sexta das 09h às 19h e aos Sábados das 09h às 13h. Telefone (41) 3224-6657.
Combo: Conjunto de Bomba e Cuia para Chimarrão + 1 Souvenir Curitiba.
R$ 20.
Café e Livraria Solar do Rosário
De segunda a sexta, das 10h às 20h; sábado das 10h às 13h; domingo das 10h às 14h. Telefone (41) 3222-3260.
Combo: Quiche qualquer sabor + way beer OU chocolate quente ou Café Latte + porção mini pão de queijo + bolo do dia.
Preço R$ 20
Brasileirinho Bar Café
De terça a domingo, das 11h às 22h. Telefone (41) 3779-5979.
Combo 1: Hambúrguer artesanal + caipirinha.
Preço R$20.
Combo 2: 02 sopas + 02 caipirinhas.
Preço R$ 40.
Tuba’s Bar
Todos os dias das 10h às 2h. Telefone (41) 3223-2407.

Combo: Caldo de pinhão + taça de vinho.
Preço R$ 20.
Bares & Restaurantes
Compras & Serviços
Lazer

PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL DE INVERNO DO CENTRO HISTÓRICO DE CURITIBA 2015
09.JULHO
Evento de Lançamento do Festival
Local: Jokers Pub Café
Horário: 19h30
Ingresso: somente convidados
Show Oficial de Abertura – HILLBILLY RAWHIDE (country rock)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 21h00
Ingresso: $ 15,00
Grupo Jazzy
Local: Quintal do Monge
Horário: 21h00
Ingresso: sem custo
10.JULHO
Acústico Fábio Elias
Local: Quintal do Monge
Horário: 21h00
Ingresso: sem custo
Abertura da Mostra de Fotografias Hostel Roma em parceria com a Omicron Centro de Fotografia – Tema: Inverno e Sensações
Local: Hostel Roma
Horário: 19h00
Ingresso: sem custo
Boogarins (pop rock)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 23h00
Ingresso: $30,00 antecipado
11.JULHO
Desfrute da Cultura e Gastronomia Paranaense
Conheça a Vinícola Araucária e almoce no Centro Histórico
Pacote inclui:
– Visita a Vinícola Araucária com acompanhamento do Enólogo,
– Degustação de vinhos, queijos e salames;
– Transporte em van executiva luxo;
– Guia acompanhante;
– Almoço: pratos típicos do festival de inverno
Horário de Saída: 8h30 e 11h30
Custo: $ 150,00 por pessoa
Inscrições: gerencia@onetur.com.br – www.onetur.com.br
Noite Árabe – dança do ventre com Fran Passos
Local: Oriente Árabe
Horário: 21h00
Ingresso: sem custo
Culinária Germânica de Inverno
Local: Bar do Alemão
Horário: 11h30 as 12h30
Ingresso: sem custo
Instrutores: Alexandre Gomes Korman, Kaio Vinícius Trevisan e Lucas Ferreira Santiago
Parceiro: Senac
Mercado Criativo
Reunirá diversas marcas locais de design, cerâmica, roupas e acessórios.
Local: Suiane Maria
Horário: 11h às 19h
Ingresso: sem custo
Cia Vintage 80 (discotecagem)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 22h00
Ingresso: antecipado feminino $15,00 masculino $20,00 no dia $25,00 feminino e
$ 30,00 masculino
12.JULHO
Mercado Criativo
Lançamento com pocket shows de bandas do selo local Som e Fúria Records
Local: Suiane Maria
Horário: 15h30 as 17h30
Ingresso: sem custo
Sobremesas para aquecer seu inverno
Local: a definir
Horário: 16h00 as 17h00
Ingresso: sem custo
Instrutora: Cacilda Messeias Soares Reis (Caca)
Parceiro: Curso de Gastronomia Faculdades Opet
13.JULHO
Movimento Maquiagem Natura – Tendências de Inverno
Local: Jeito Mineiro
Horário: 11h30 as 14h30
Ingresso: sem custo
Maquiadora: Luana Quadros
Parceiro: Natura
14.JULHO
Movimento Maquiagem Natura – Tendências de Inverno
Local: Bella Vivenda
Horário: 15h30 as 17h30
Ingresso: sem custo
Maquiadora: Luana Quadros
Parceiro: Natura
Quarteto Zenamon de violões – Música contemporânea
Local: Bella Vivenda
Horário: 17h30
Ingresso: sem custo
Oficina de Confecção de flores em E.V.A
Local: Casa do Fumo
Horário: 14h00 as 17h00
Ingresso: sem custo – material cedido pela Casa do Fumo
Thunder Kelt (música celta)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 20h30
Ingresso: até as 20:30h consumação de $15,00/ após 20:30 – consumação de $20,00 ou ingresso de $15,00
15.JULHO
Movimento Maquiagem Natura – Tendências de Inverno
Local: Lolitas
Horário: 15h30 as 17h30
Ingresso: sem custo
Maquiadora: Luana Quadros
Parceiro: Natura
Passeio guiado pelo Centro Histórico
Venha descobrir a história e as curiosidades de Curitiba durante o Festival de Inverno. Roteiro guiado, com caminhada leve de 2 horas pelos principais atrativos do centro histórico.
Local: Cavalo Babão
Horário: 10h00
Ingresso: sem custo
Inscrição: Envie-nos seu nome para curitibafw@gmail.com ou Whatsapp 41 8875-7721
Parceiro: Curitiba Free Walking
* especial sorteio de kits Natura
Catfish JugBand (jazz & blues)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 20h30
Ingresso: até as 20:30h consumação de $15,00/ após 20:30 – consumação de $20,00 ou ingresso de $15,00
16.JULHO
Noite de Música Brasileira
Local: Farnel Gastronomia Paranaense
Horário: 19h30
Ingresso: $ 5,00 (couvert artístico)
Dupla Roberto e Carlos
Local: Quintal do Monge
Horário: 21h00
Ingresso: sem custo
Oficina de Confecção de flores em E.V.A
Local: Casa do Fumo
Horário: 14h00 as 17h00
Ingresso: sem custo – material cedido pela Casa do Fumo
Hillbilly Rawhide (coutry rock)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 20h30
Ingresso: até as 20:30h consumação de 15,00/ após 20:30 – consumação de 20,00 ou ingresso de 15,00
17.JULHO
Baile de Fandango
Local: Farnel Gastronomia Paranaense
Horário: 19h30
Ingresso: $ 10,00 (antecipado) $15,00 (no dia)
Geração Coca-Cola (pop rock)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 23h00
Ingresso: $20,00
18.JULHO
Desfrute da Cultura e Gastronomia Paranaense
Conheça a Vinícola Araucária e almoce no Centro Histórico
Pacote inclui:
– Visita a Vinícola Araucária com acompanhamento do Enólogo,
– Degustação de vinhos, queijos e salames;
– Transporte em van executiva luxo;
– Guia acompanhante;
– Almoço: pratos típicos do festival de inverno
Horário de Saída: 8h30 e 11h30
Custo: $ 150,00 por pessoa
Inscrições: gerencia@onetur.com.br – www.onetur.com.br
Almoço com Música Brasileira
Local: Farnel Gastronomia Paranaense
Horário: 12h30
Ingresso: $ 5,00 (couvert artístico)
Noite Árabe – dança do ventre com Bela Behrens
Local: Oriente Árabe
Horário: 21h00
Ingresso: sem custo
Oficina Café – Preferência Nacional
Local: Bella Vivenda
Horário: 10h00 as 11h30
Ingresso: sem custo
Instrutor: Orlando L. Salvatti e Ueslei Felipe de O. Vale
Parceiro: Senac
Funk You (discotecagem)
Local: Jokers Pub Café
Horário: 23h00
Ingresso: ingresso antecipado $20,00 e no dia $30,00
19.JULHO
Show Oficial de Encerramento – Heimatabend
Dança de folclore alemão e banda alemã
Local: Bar do Alemão
Horário: 19h00
Ingresso: sem custo
ATRAÇÕES PERMANENTES
Mostra de Fotografias Hostel Roma em parceria com a Omicron Centro de Fotografia Tema: Inverno e Sensações
Local: Hostel Roma
Horário: 13h00 as 19h00
Ingresso: sem custo
Exposição “Curitiba” da artista plástica Paula Shmidilin
Local: Galeria de Arte Solar do Rosário
Horário: Horário de abertura: 2f à 6h das 10h às 19h30 / sábado das 10h às 13h e domingo das 10h30 às 14h
Ingresso: sem custo
Passeios Guiados
Tour Ciclístico
O passeio contempla o setor histórico com seus atrativos gastronômicos e culturais. O passeio inclui 2 combos degustação no valor de R$ 20,00 cada. Inclusos as bikes, capacete e água, tudo isso com acompanhamento de um condutor.
Horários: 9h00 as 12h0 /14h00 as 17h00
Datas: 9 de Julho a 18 de Julho exceto domingo 12/07
Duração: 3h
Nível de dificuldade: Leve
Inscrições: Kuritbike por telefone: 9578-1426 ou e-mail: queropedalar@kuritbike.com
Reservas: 24h de antecedência
Saídas e retorno no Oriente Árabe restaurante. Endereço: Rua Kellers, 95
Maiores informações com Gustavo pelo tel: 9656-2951
Parceiro: Kuritibike